A Voz do Povo

Anuncie Aqui

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Paulo Maluf e família Indiciados




STF processa Maluf e família por lavagem de dinheiro


O Supremo Tribunal Federal (STF) abriu hoje um processo criminal contra o deputado federal e ex-prefeito Paulo Maluf (PP-SP), a mulher dele, Sylvia, quatro filhos do casal e mais dois parentes por suspeita de lavagem de dinheiro. O Ministério Público Federal sustentou que a família se envolveu num esquema de lavagem de recursos desviados de obras públicas da época em que Maluf administrou a capital.


Maluf já responde por quatro ações penais no STF
Como conseqüência da decisão, Maluf e os parentes passarão da condição de investigados para a de réus. O ex-prefeito e a mulher ficaram livres da acusação de formação de quadrilha porque, segundo os ministros, em razão da idade deles já ocorreu a prescrição. Mas os outros também responderão por formação de quadrilha.
Relator do processo, o ministro Ricardo Lewandowski destacou os valores "astronômicos" dos supostos desvios. Ele citou que o prejuízo ao erário foi de cerca de US$ 1 bilhão. Também disse que há informações de que a família Maluf teria movimentado no exterior cerca de US$ 900 milhões, valor superior ao Produto Interno Bruto (PIB) de muitos países, como Timor Leste, Guiné Bissau e Granada.
O ministro destacou que o total de recursos consumidos com a obra da avenida Águas Espraiadas foi de R$ 800 milhões. Mas que as suspeitas são de que cerca de US$ 1 bilhão teriam sido lavados. Além dos valores altíssimos, o ministro mostrou ter ficado surpreso com o fato de o caso envolver mais de uma dezena de empresas off shore.
Carisma de ódio

O destaque da sessão foi o advogado José Roberto Leal de Carvalho, que defende Maluf. "É muito difícil defender Paulo Maluf. Paulo Maluf carrega um carisma de ódio, desde a Copa de 1970 (quando ele presenteou jogadores com automóveis Fusca). Começa o calvário dele lá", disse Carvalho.
O advogado também criticou o fato de o Ministério Público Federal ter denunciado por formação de quadrilha oito integrantes da família Maluf. "A quadrilha só vai acabar quando matarem todos e restarem três", disse.
José Roberto Batocchio, advogado do filho do deputado, Flávio Maluf, também tratou do assunto. "No Brasil, transformaram formação de família em formação de quadrilha", disse. Batocchio reclamou do uso pelo Ministério Público de provas fornecidas pela Suíça. Defensor também de Jaqueline Maluf, o advogado disse que ela é uma dona de casa. "É uma dona de casa que só acompanhou o marido e se dedicou a cuidar dos filhos e a administrar o seu lar', disse.
Com a verba desviada por Paulo Maluf e seu bando de parentes ladrão poderia melhorar a saúde que é um fiasco nesse país onde meia dúzia de pessoas manda e desmanda enquanto isso o povo morre por omissão do estado.
O Jornal a Voz do Povo ainda acredita numa justiça mais eficaz no Brasil que é dito de todos e na verdade nunca foi.
Onde esta os eleitores de Paulo Maluf um homem arrogante que tira ironiza a justiça brasileira.
Paulo Maluf começou sua carreira política alinhado aos militares que tomaram o poder em 1964. Foi prefeito nomeado de São Paulo (1969) e secretário estadual de Transportes (1971), mas só se projetou nacionalmente em 1978, quando derrotou o candidato ao governo paulista indicado pelo presidente Ernesto Geisel e por seu sucessor, o general João Baptista Figueiredo. Não se apresentava, porém, como opositor do regime militar, mas sim como seu maior defensor.
Na campanha pelo restabelecimento de eleições diretas para presidente, em 1984. Maluf contribuiu para derrotar a emenda das diretas e impediu que as facções do PDS chegassem a um nome de consenso à sucessão. Rachou o partido, mas foi escolhido candidato a presidente. Inspirou a criação do verbo "Malufar", usado pelos adversários em sentido pejorativo.
Para quem não sabe Paulo Maluf foi um dos que mais reprimiu professores na ditadura e muitos professores ainda continua desaparecidos.

Jair Ribeiro (Juquinha)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Veja os Telefones Uteis Clicando aqui

Cantinho do Leitor